Planejamento


O planejamento tem a finalidade de estabelecer metas, objetivos, estratégias funcionais, projetos e planos de ação, ou seja, é a tarefa mais importante do administrador.

O interesse na busca por culturas, hábitos e regionalidades diferentes daquelas do nosso convívio geralmente relaciona essa ação ao turismo e viagens.

Como o setor de turismo está em alta, montar um hotel é uma boa pedida. A cada viagem ou ação como turista, esse público deseja sempre o melhor, seja em serviços qualificados e conforto, seja em atrativos turísticos e segurança.

Para que o estabelecimento esteja de acordo com o que o turista procura, o planejamento segue um acompanhamento e controle de eficácia das estratégias a serem empregadas como:

  • Planejamento mercadológico: Serve para orientar a atuação da empresa no mercado, definindo a política de preços e serviços, a segmentação do merca- do, a diferenciação, o plano de promoção e vendas, a fidelização dos clientes, a pesquisa de mercado, etc.
  • Planejamento financeiro: Refere-se ao controle de custos e despesas de comercialização, plano de investimentos, fluxo de caixa, orçamento, além de traçar indicadores econômico-financeiros.
  • Planejamento de recursos humanos: Trata a pessoa como capital humano e traça o plano de recrutamento e seleção, capacitação e treinamento, cargos e salários e de promoções.
  • Planejamento organizacional: Elabora o plano diretor de sistemas, o plano de estrutura geral, o plano de rotinas, o plano de informações gerenciais e o plano de comunicações.

No planejamento de um empreendimento hoteleiro, os fatores importantes são os clientes e o local onde o hotel está inserido.

O macroambiente refere-se às condições físicas, econômicas e culturais do local e aos atrativos turísticos. O objetivo final de qualquer empreendimento é atrair o cliente e conquistá-lo.

A escolha do local é tão importante que chega a influenciar a própria maneira de ser do estabelecimento. O estilo arquitetônico, o tamanho, a distância das áreas, a decoração, os equipamentos e a própria proposta de marketing da hospedagem.

O local escolhido, portanto, deve ser um destino competitivo, ou potencial- mente competitivo, fato que caracteriza uma oportunidade a ser explorada. Esse destino pode incluir praia ou montanha, ser uma cidade pequena ou grande, com área rural ou urbana, com elementos históricos, por exemplo. Pode ser à beira de rios ou lagos ou uma combinação de vários desses elementos. O importante é que esse local ofereça atrativos para que seu hóspede se interesse por ele e, além disso, queira ficar no seu estabelecimento.

Além do aspecto físico-geográfico, é fundamental interagir com as características socioculturais da região, seus hábitos e costumes. Valores culturais devem estar integrados, na medida do possível, com as propostas de ambientação do estabelecimento:

A análise do cenário ajuda a tornar parte do paradigma mais antigo, a SWOT (força-fraqueza-oportunidade-ameaça), um processo mais sistemático para o planejamento estratégico, esclarecendo as oportunidades que confrontam cada empresa, algumas das quais compartilhadas com seus concorrentes diretos. Porém, a análise de cenários não está limitada aos concorrentes diretos: envolve olhar além deles, até uma extensão que depende do caráter geral do gabarito analítico empregador. (GHEMAWAT, 2000, p. 55).

De acordo com Tyler at al (2001), citado por Petrocchi (2002), o planejamento pode ser dividido em duas fases:

  • Fase de estudos, que envolve o diagnóstico, com todos os levantamentos, pesquisas e análises sobre a situação atual da empresa, e também o estabelecimento de objetivos e a seleção de estratégias e definição de meios para alcançá-los;
  • Fase de ações ou de gestão, que consiste nos planos táticos e operacionais, que tornam concretos os planos, com a finalidade de alcançar a mudança desejada.

As etapas do estudo são:

  • Diagnóstico;
  • Estabelecimento de objetivos
  • Seleção de estratégias e meios;
  • Planos de ação ou trabalho;
  • Controle.

Diagnóstico ou análise macroambiental
O diagnóstico é a análise da situação da empresa, ou seja, como o hotel se encontra. Exemplos: próprios clientes, situação econômica, políticas públicas, etc.

A análise é composta de:

  • Análise do ambiente externo;
  • Análise do ambiente interno do hotel.
    O diagnóstico é fundamental para um bom planejamento, especialmente quando ele parte da análise macroambiental, ou seja, do ambiente externo à empresa, exercendo enorme influência sobre ela. (SENA; LAIRSON, 2008)

Análise ambiental externa
O objetivo é estudar todos os fatores externos à organização, as forças da sociedade que afetam o hotel e todos os demais aspectos externos à organizacão.

Economia: Renda e sua distribuição, preços, emprego, dinamismo econômico, padrões de consumo, etc.

Demografia: População, número de habitantes, composição, distribuição, escolaridade, faixa etária, etc.

Política: Legislação, regulamentação, movimentos populares, etc.

Tecnologia: Tecnologias de produtos, sistemas informatizados, prestação de serviços, comunicação, internet, etc.

Meio ambiente: Meio urbano e meio natural.

Cultura: Estilo de vida, valores da sociedade, cultura popular, etc.

Sistema de turismo: Atrativos, infraestrutura, competitividade, cultura associativa, desenvolvimento empresarial, marketing, conscientização da população para o turismo, atuação do setor público, etc.

Mercado: Fluxos turísticos existentes, mercado potencial, segmentação, modalidade de turismo, estudos e pesquisas, bases de dados, etc.

Concorrência: Análises quantitativas e qualitativas, recurso de marketing, tendências, inovações.

Ao se analisar o macroambiente externo, surgirão aspectos positivos e negativos. Os aspectos positivos são chamados de oportunidades; os aspectos negativos, de ameaças.

Análise macroambiental interna

É feita através de uma análise das condições internas da organização, juntando todos os elementos que estão ao alcance do administrador hoteleiro. A análise macroambiental interna pode orientar-se por alguns parâmetros:

Recursos financeiros: receitas, fluxos de caixas, orçamentos, fontes de recursos, custos praticados, rentabilidade, valor patrimonial, tarifas, etc.

Recursos humanos: dimensionamento, qualificação, desenvolvimento, nível de satisfação dos empregados, prevenção de acidentes, etc.

Recursos de capital: instalações e equipamentos, nível de atualização tecnológica, informatização.

Métodos de trabalho: divisão de trabalho, atribuição de autoridade, processos de trabalho, produtividade e qualidade, controles, atendimento ao mercado, padronização de rotinas, etc.

Tecnologia: atualização tecnológica, utilização de sistema de informática, internet, televisão a cabo e outros serviços.

Instrumentos de marketing: missão, objetivos e metas, estratégias de marketing, planos setoriais, promoção, informações, etc.

Cultura organizacional: valores compartilhados pelas pessoas que contribuem para o sucesso da organização, atitudes;

Preservação ambiental: respeito ao meio urbano e ao meio natural, uso racional de água, energia elétrica e disposição de resíduos, entre outros;

Responsabilidade social: inserção do hotel nos esforços de desenvolvimento social da comunidade onde é inserido, recolhimento de impostos, respeito às leis.

Os aspectos positivos comporão a lista dos pontos fortes; os negativos, dos pontos fracos.



 
gyncursos.com.br © Desenvolvido por GYN SITES