Composição de uma Fotografia


Eu tinha dito que Exposição era a questão mais importante em todo o curso, agora eu digo que a Composição é a segunda questão mais importante na minha opinião.

Podemos dizer que a situação dos objetos na cena de uma fotografia faz-se o que é chamado de composição.

Compor uma fotografia é buscar a melhor vista de uma cena e conseguir a harmonia entre seus elementos. Aqui estão algumas dicas para fazer uma composição, embora são apenas conselhos de coisas que você deve considerar. Estas orientações podem ser alteradas a qualquer momento a gosto do fotógrafo, se ajuda a transmitir o que ele quer.

A arte de compor é saber não só como colocar objetos, mas que elementos adicionar e que elementos deixar de fora. Isso é muito importante porque pode nos ajudar a situar uma imagem em um contexto ou outro. Vamos lá, porque é muito interessante.

Regra dos Terços

Esta é, eu creio, a “regra” mais básica da composição em uma fotografia. Quando somos ainda crianças e nos colocam uma câmera na mão a primeira coisa que nos dizem é “tente nos colocar no centro da foto”. No entanto, agora que somos mais velhos percebemos que a realidade é bem diferente. Embora nem sempre acontece, uma foto que tem algo totalmente centrado não é harmonioso, embora haja exceções. Há estudos que remontam ao tempo da Grécia antiga (ano 500 a.c.) em que já falavam sobre as proporções que dão mais harmonia a uma escultura, uma pintura ou até mesmo um edifício.

 

Ao longo do tempo todos os artistas têm procurado uma forma de divisão perfeita das coisas, mas não havia nada para indicar em que proporção as coisas devem ser (seres vivos, objetos…). Agora nós sabemos que há uma fórmula muito conhecida no mundo dos projetos, que permite dividir o espaço em partes iguais, para conseguir um efeito estético agradável e que pode chegar a ser muito eficaz. Esta teoria é chamada de “A regra áurea”, também conhecida como “proporção divina” ou “número áureo”.

 

imagem

Este número é chamado número de ouro é representado pelo símbolo Ø e seu valor é 1,61803 …, os Gregos os obtiveram para encontrar a relação entre a diagonal de um pentágono e a lateral. O nome “número de ouro” é devido a Leonardo da Vinci.

A aplicação da proporção áurea na fotografia vem nos dizer que se aproximamos os objetos mais importantes que se aproximam os lados seção áurea obtem-se uma imagem mais marcante e equilibrada.

A regra dos terços é a maneira mais fácil de aplicar a seção áurea na fotografia.

Para aplicar a regra dos terços dividimos o espaço da imagem em 3 terços tanto na vertical como na horizontalmente e faremos que as linhas e os elementos mais importantes de uma fotografia encaixem nestes terços.

No exemplo a seguir, podemos ver a diferença da mesma cena tiradas com o assunto principal centrado e ajusta a um terço. A foto que tem o tema descentrado tem mais força, equilíbrio e harmonia que a foto que tem o assunto principal centrado.

imagem

Vemos como a foto acima é mais forte por ter localizado o barco em um terço.

Isso não significa que todas fotos devem estar descentradas, como alguns procuram precisamente simetria para alcançar a harmonia. No exemplo abaixo podemos ver. Embora a posição dos carros e as pessoas não é simétrica, o edifício é totalmente centrado. Ainda podemos ver que a proporção do céu é um terço em comparação com a altura da foto.

imagem

O centro, como explicado mais tarde, é um ponto forte. Nem todas as fotos tem que seguir a regra dos terços. Depende da mensagem que deseja transmitir. Em algumas tomadas o centrar pode ser a melhor solução.

imagem

Lugar do Horizonte

Se buscarmos a simetria entre o céu e o solo podemos situar o horizonte no centro. Se não, vamos tentar coincidir com o horizonte com um dos terços verticais. Se nós damos mais importância para o solo, faremos o horizonte coincidir com o terço superior. Se queremos dar importância ao céu (por exemplo, porque há nuvens impressionantes) ajustamos o horizonte para o terço inferior.

imagem

Nesta série de imagens, veja como eu coloquei o horizonte de uma forma ou de outra, dependendo do objetivo que eu queria alcançar. Na primeira foto eu queria dar importância para o céu, e, portanto, ajustei o horizonte para o terço inferior. Na segunda eu quis dar a importância ao solo, assim eu ajustei o horizonte para o terço superior. Na terceira foto eu queria ter uma perfeita simetria entre o céu e o solo e assim então eu centrei o horizonte.

Descentrar horizontalmente

Nós cabe fazer uma pergunta, se é melhor encaixar um assunto a um terço da esquerda, direita, superior ou inferior. Quando você descentralizar um objeto você tem que levar em conta o que o assunto está fazendo. Se por exemplo o assunto é uma pessoa tente acompanhar o seu olhar e deixe o espaço para a área onde ele olha.
imagem

Observe a diferença entre uma foto e outra. A foto à esquerda é mais equilibrado e tem mais força do que a da direita, porque o assunto tem a face voltada para a direita. É por isso que foi colocado no lado esquerdo.

Da mesma forma, se o assunto é um objeto em movimento (por exemplo, um carro) é geralmente melhor deixar espaço para onde o sujeito se dirige. Isso lhe dá mais sensação de movimento e profundidade à imagem. Tudo depende do sentimento que deseja transmitir.

imagem

Nestas fotos acima podemos ver duas opções. Não há uma melhor do que a outra, tudo depende do que você deseja transmitir. Na primeira, podemos ver que o carro tem de fazer uma curva pela frente e vem vindo muito rápido (o carro está inclinado e com poeira atrás dele). Na segunda podemos ver melhor de onde ele vem. Ele dá mais sensação de travagem, mas a curva a frente não é vista claramente. Eu pessoalmente prefiro a primeira porque é dado mais espaço na frente do carro, que é para onde ele vai e dá mais sensação de movimento.

Estas recomendações não tem porque ser seguidas sempre. Vai depender de como o fotógrafo quer encaixar o objeto em uma tomada e encaixá-los com o segundo plano. Em outras ocasiões a situação na hora que for tirar a foto não vai nos dar a oportunidade de escolher a melhor composição, seja porque os objetos ou situações acontecem muto rápido que não vai dar a opção para procurar uma melhor opção.

Pontos fortes

Os pontos fortes são aqueles que se aproximam dos terços e seus cruzamentos. No exemplo a seguir imagens ver como eu tentei corresponder o mais impressionante para mim em cada foto com os pontos fortes e como fazer isso dá mais força para as fotos que que se fosse centradas.

Nestas duas imagens podemos ver como eu apliquei a regra dos terços para colocar os animais. Na primeira eu coloquei a cobra na parte superior (para dar sensação de altura), e na esquerda para ver a continuação do tronco, e assim podemos ver onde ela estava. A foto da águia que eu compus tratei de fazer a águia ocupar quase toda a imagem, mas deixando a cabeça perto do terço superior direito.

imagem

Nestas duas imagens abaixo podemos ver como eu coloquei o barco em um terço esquerdo, deixando 0 espaço à direita, porque ele estava “apontando” para a direita. Para gaivota deixei o espaço no lado esquerdo porque é para onde ela estava voando.

imagem

Na foto abaixo à esquerda eu fiz coincidir a azeitona com o terço superior direito, deixando folhas de oliveira vistas no lado esquerdo. Na foto à direita eu praticamente combinei tudo com tudo, a Catedral com o terço esquerdo superior, o horizonte e a ponte com o terço superior, o pilar da ponte com o terço direito, o chão com o terço inferior e a bicicleta com o terço inferior esquerdo.

imagem

Olhos

O Close-up  será mais marcante se os olhos coincidem com os terços.

Nestas três fotos de exemplo você verá como eu sempre ajustei os olhos ao terço superior da imagem. Se eles tivessem focado os olhos na vertical, então haveria um monte de espaço vazio acima e a imagem teria sido descompensada, especialmente na segunda e terceira fotos.

imagem

Linhas Mestres

Em algumas fotos podemos usar linhas para dar mais profundidade à imagem. Podemos olhar para as linhas nas calçadas, cabos, estradas de ferro, etc … Nestes dois exemplos, vemos como usar os cabos de teleférico e da rua para dar profundidade a cena. As linhas acompanham o olhar e em ambos os casos  nos leva desde o teleférico e das crianças para o fundo da paisagem e da rua.

imagem
Ao usar as linhas, devemos ter cuidado para que elas sejam linhas simples e que não cruzem entre-se, pois se isto acontecer vai ficar muito caótico e não vai te ajudar a torná-la uma composição limpa.

Horizonte caído

Ao tirar uma foto de uma paisagem que tem um horizonte, ou uma cena em que há linhas horizontais devem ter em conta que elas estejam paralelas às bordas da foto e que esteja em linha reta, caso contrário a foto ficará inclinada, ou o horizonte caiu. Às vezes, o efeito do horizonte caído pode ser provocado por alguma razão. Nesse caso, é melhor que o horizonte esteja claramente caído para que não fique dúvida entre uma foto certa e a foto errada.

imagem

Isso pode ser corrigido com aplicações de retoque, como Photoshop ou Paint Shop Pro, mas lembrando sempre que isto poderá ocasionar a perda de definição da imagem ao salvar ou perder a originalidade do trabalho, por isso é melhor levar isso em conta quando for tirar a foto.

O fundo

Ao tirar uma foto muitas vezes nós não olhamos ou damos pouca importância para o fundo. Devemos tentar ajustar o plano de fundo para o que se está fotografando. Às vezes não podemos mudar o ponto a partir do qual estamos fazendo a foto, mas o simples fato de agachar, subir em um um objeto ou algo do tipo já podemos modificá-lo.

Cuidado:

  • Fundos que não contrastam com o objeto fotografado.
  • Fontes luminosas que ofuscam ou contrastam muito com o assunto, a menos que procuremos uma contra-luz para fotos de silueta. Um exemplo seria uma lâmpada apontando diretamente para a câmera, uma janela em uma foto de interior, etc…
  • Fundos com muitos detalhes. Se o fundo tem um monte de detalhes irá desviar a atenção do motivo principal. Se não podemos evitar isso tente desfocar o fundo, reduzindo a profundidade de campo. Desta forma, você irá diminuir a sua importância.

A foto abaixo à esquerda perde muita sua força, porque o fundo não contrastam com os cavalos por ser da mesma cor. No entanto, na foto à direita, podemos ver como eu me tornei um fundo completamente anódino para um fundo adequado ao reduzir a profundidade de campo, de modo que ficou desfocado. Se eu não tivesse feito isso ela teria ficado muito caótico e teria entorpecido a principal razão para a foto, que é a flor com o besouro.
imagem
Nestas duas imagens abaixo podemos ver como corrigir um fundo desastroso simplesmente mudando o ângulo de visão. A primeira tem um fundo demasiadamente contrastado, o que não ajuda a ver em detalhes a planta. Simplesmente movi-me um pouco para a esquerda para combinar o fundo escuro com uma área arborizada da imagem de fundo é que ficou muito mais agradável aos olhos e pude ver com mais detalhes a planta.
imagem

Complexidade

Muitas vezes tiramos fotos tentando incluir nela tudo o que vemos, sem nenhuma ordem e tornando a imagem demasiadamente complexa e caótica. Esses tipos de fotos geralmente funcionam melhor quando há motivos principais e onde o resto não sobressai ou desvia a atenção. Por exemplo, nestas duas imagens abaixo podemos ver que a da esquerda é muito caótica. Ela não tem linhas limpas, nem há uma composição clara, nem qualquer razão particular. Madeiras cruzam entre si. O resultado final é uma imagem que não tem nenhum atrativo. No entanto, a segunda tem uma composição muito simples e limpa. Apenas o cão localizado em um terço e um fundo que não chama atenção.

Ajuda a fazer com que os objetos não se sobrepõem uns aos outros e não se incomodam tornando uma imagem mais limpa ..

imagem

Altura

A altura a partir da qual a fotografia está sendo feita é um elemento da composição. A mesma imagem pode variar muito, dependendo da altura em que é tirada. Estamos acostumados a tirar nossas fotos a partir de nossa própria altura. É preferível testar e tentar enquadros diferentes em alturas diferentes, deitando, agachando ou tentando subir em lugares mais altos, etc. Isto é especialmente importante para “preencher” o fundo, especialmente se for um horizonte. Podemos colocar o horizonte mais alto ou mais baixo simplesmente ao agachar.

Estas duas imagens abaixo mostram a diferença de duas imagens completamente idênticas, exceto pela a altura em que foram tiradas. Como você pode ver a altura permite alterar a relação de campo (verde), a proporção do céu e da perspectiva da estrada.

imagem

A maneira pela qual os objetos de uma foto se encaixam, incluindo o fundo, pode alterar a mensagem que a foto transmite. Controlar a altura permite-nos colocar os objetos de forma equilibrada. Nas duas imagens abaixo podemos ver outra foto exatamente idêntica, simplesmente variando a altura. Na primeira podemos ver a escadaria de uma forma mais detalhada. No entanto, na segunda os olhos nos levam mais no final da escadaria e permitindo ver melhor as árvores.

imagem

Preencher espaços

Até agora, temos visto como colocar os elementos mais importantes, utilizando a regra dos terços. No entanto, muitas vezes é mais importante para preencher os espaços deixados em branco da imagem para deixá-la mais equilibrada como situar itens importantes nos pontos fortes. Nem sempre é necessário, mas pode ajudar muito.

Neste exemplo de foto abaixo vemos que o ponto mais importante da foto é a bicicleta. E na verdade é a parte da foto que está mais em foco, e também coincide com o terço da direita. Mas a mesma moto em um campo limpo teria ficado totalmente sem graça. Esta foto foi equilibrada colocando tabuleiros de xadrez urbanos de modo a que as brechas vazias foram preenchidas. Assim, o tabuleiro do fundo e o tabuleiro do primeiro plano ajudou a completar a imagem.

imagem

Deve-se ter cuidado para ao preencher as lacunas não sobrepor o ponto principal que é a principal razão para que se deve preocupar, aqui depende da criatividade de cada um para fazê-lo. Você nem sempre vai precisar preencher. Muitas vezes, os espaços ajudam a dar “perspectiva” a uma imagem ou torná-la minimalista.

No exemplo abaixo foi deixado um monte de espaço na direita, que é para onde a figura estava andando e eu preferi não preencher com qualquer coisa. Você pode gostar ou não, mas essa era a intenção que eu tinha naquele momento.

imagem

Proporção dos objetos

Claro que todos nós já vimos em alguma ocasião um grupo de turistas tirando fotos a direita e a esquerda de monumentos (atividade bastante respeitável). E com certeza todos nós também já vimos a cena típica de alguém tirar uma foto de uma enorme catedral, onde sua família deve ficar á 100 metros distante dele, reduzido a proporção das pessoas a um tamanho inestimável. Todos nós tiramos fotos de viagens onde queremos aparecer ao lado daquele lugar legal que nós estivemos, mas para fazer isso é muito melhor ter a pessoa próxima a você, para emoldura-la bem, para distingui-la, e para ajustar o monumento ao fundo, mesmo que o monumento é cortado ligeiramente ou não visto em todo o seu esplendor. Posso assegurar que apenas lhes ensinando um pouco, o resto nós vamos tirar de letra.

Coloquei dois exemplos abaixo. Na primeira as pessoas se distinguem perfeitamente bem e tem detalhes suficiente para nos lembrar do local em que estivemos. Na segunda imagem, mal se distingui os rostos e as fisionomias das pessoas.

imagem

imagem

É bom identificar o que é mais importante em uma fotografia, se uma pessoa ou um monumento, não podemos sacrificar um em detrimento de outro, mas dê preferência as pessoas, em seguida fazer duas imagens diferentes. Identifique a melhor forma de abordar o assunto, teste zoom, perspectiva, ajuste o fundo, etc.

Em algumas fotografias (especialmente paisagens) é difícil mostrar o tamanho real dos objetos. Para incluir na foto um elemento do qual sabemos que o tamanho real pode nos ajudar a transmitir o tamanho real da cena. Na próxima imagem, podemos ter uma idéia da grandeza da geleira, porque as pessoas parecem muito pequenas. Se na foto não aparecer as pessoas dificilmente poderiámos ter transmitido a grandeza do lugar.

imagem

Contextualizar

Os elementos da composição pode ajudar a contextualizar uma fotografia e colocá-lo dentro de um ambiente. Às vezes nos interessam transmitir este contexto na fotografia, ajuda a comunicar exatamente o que você deseja transmitir. E ao contrário, às vezes nós interessa isolar um sujeito do seu entorno, deixando espaço para a imaginação de quem vê uma foto.

Eu coloquei vários exemplos de contextualização de situações.

Estava em um mercado da cidade e vi estas maçãs tão chamativas e decidi tirar uma foto. Se não tivesse incluído a placa de preços teria sido apenas mais uma foto com um monte de maçãs. No entanto, pela simples opção de deixar placa com os preços aparecer a foto diz muito mais. Vamos então contextualizar toda a mensagem da imagem: Primeiro me diz que estou num mercado porque tem uma placa de venda, em segunda me diz que é um mercado Europeu porque o preço está em Euros, em terceiro tem o nome do mercado: “Südtirol” que me dá a entender que fica na cidade de Tirol, Áustria. Fui feliz em acrescentar esta placa porque ela definitivamente me deu um monte de informações hein?

imagem

Este exemplo foi muito fácil porque a placa nos deu um monte de informações. Vamos tentar ser um pouco mais sutil.

Neste exemplo abaixo, vemos 3 fotos, que são realmente a mesma imagem, mas com diferentes abordagens. A primeira simplesmente transmite que há uma menina e que ela lê alguma coisa. A segunda nos dá mais informações, porque ela nos diz que ela está dentro de um local pois está após uma janela. No entanto, a terceira nos dá mais informação,  cadeiras e uma barra de menu aparece do lado de fora, na calçada, o que se conclui que estamos num bar. Isto pode reforçar a ideia de que a menina tem intimismo naquele momento. Assim, podemos adicionar alguns elementos que nos ajudam a contextualizar uma imagem muito melhor.

imagem

Existem mais elementos que podem nos ajudar a contextualizar, tais como placas de rua, placas de carros que parecem etc. Da mesma forma, os símbolos icônicos pode nos ajudar a nos posicionar. Eu acho que ninguém tem dúvida de onde foi tirada a fotografia seguinte.

imagem

Da mesma forma que queremos nos colocar em contexto, a gente pode querer deixá-lo. Aqui eu mostro onde eu estava na véspera de Ano Novo, e como eu usei a luz de um spot no canto e enquadrei para focar apenas o sinalizador.

imagem

Adicionar uma moldura improvisada em sua foto também pode ajudá-lo a localizar-se. Nesta foto eu usei o parapeito do terraço para contextualizar a situação. Estava nevando, e você vê que eu estou dentro de casa, mais quente. Isso faz com que a foto transmita mais sensação de frio do que se eu estivesse lá fora.

imagem

Transmitir sentimentos

A composição é uma ferramenta muito poderosa quando se trata de transmitir sentimentos. A inclusão ou não de certos elementos pode nos ajudar a narrar uma história ou alterar a mensagem transmitida em uma foto. Na primeira imagem do exemplo a seguir vemos uma baleia Beluga. É uma foto totalmente indescritível de um parque oceanográfico. O máximo que você pode começar a transmitir é a beleza do animal. No entanto na segunda foto, incluindo um novo elemento humano, nós começamos a transmitir outros sentimentos, tais como ternura, proximidade, curiosidade, etc…

imagem


 
gyncursos.com.br © Desenvolvido por GYN SITES